AutoriaDescrição
Sérgio Soares Ferreira
Cresceu na Antuérpia na Bélgica. A sua experiência profissional vem do design de luz e da projecção de video. Foi director de video de Jean Michel Jarre para a tour Oxygene e para o 850 aniversario da cidade de Moscovo. Foi também director de video e designer dos suportes video para Daft Punk's Daftendirekt Tour na Europa e nos Estados Unidos. Co-fundador do colectivo Ula.Li, responsável pela instalação de som e luz interactiva “ You bring color “ apresentada na Casa da Musica durante o festival Obra Aberta. Neste momento realiza o seu mestrado em Artes Digitais pela Universidade do Minho, onde se foca na interacção entre o mundo biológico e o mundo digital, mais especificamente em mirmecologia - o estudo das formigas.
http://sergioferreira.pt/

Mariana L. Ferreira
Actriz ou operadora de teatro ou performer ou criadora ou cantora ou em pessoa. Nascida e criada no Porto, Portugal, esta ligada as artes de palco desde 1999. Tem trabalhado profissionalmente para criadores assim como desenvolvido o seu próprio trabalho nas areas do teatro clássico, teatro físico, dança, novo circo e performance art.

Francesco Cerutti
Nascido em 1983 em Turim, Italia. A sua educação provem do mundo do novo circo e do teatro de rua. Desde muito cedo actuou como malabarista em palcos e nas ruas. Encontrou pelo caminho mestres como Benjamin Verdonck e The Big Art Group, que o fizeram re-pensar o seu conhecimento e mover o foco mais para o aspecto contemporâneo do gesto e a contextualização da performance em si mesma. Desde 2000 viaja, e a seguir as passadas dos mestres, questiona-se sobre a distância entre performer e espectador, entre a vida e a ficção.

Mécia Sá
Nascida no Porto durante o ano em que lançaram o primeiro filme Regresso ao Futuro. E licenciada em Design pela universidade de Aveiro, onde amplificou o seu conhecimento na produção de produtos, serviços e sistemas interactivos. Dedicada ao estudo de Visualização de Data, desenvolveu sobre este tema a sua tese de mestrado na faculdade de belas artes do Porto, um estudo que se encontra na área do design de informação, e que quer transformar informação valida em novos tipos deconfiguração, desenvolvendo assim consciência para a quantidade massiva de informação em que vivemos continuamente emersos.
Efeito formiga e um projecto de performance contemporâneo que dilui as linhas entre jogo e performance. Mistura mirmecologia e cultura humana através de sistemas de visão por computador e computação física. Inspirada na relação fictícia entre sociedades de formigas e a nossa cultura contemporânea, esta performance é condicionada por um sistema que observa formigas vivas em tempo real.

Através do estudo de diferenças morfológicas especificas entre varias castas de formigas e relacionando-as com as variações culturais humanas, uma estrutura modular foi criada . Esta estrutura modular resulta numa narrativa não-linear composta por vários módulos. Cada modulo assim como a estrutura global são condicionados pelo sistema. Este jogo resulta em varias performances possíveis com varias durações onde os performers/jogadores são desafiados a improvisar em novas combinações. A mesma historia pode ser sempre contada de maneira diferente. Durante as residências em que estivemos presentes no âmbito AZLabs @ Espaço do Tempo desenvolvemos a essência e algumas possíveis estruturas. Foi apenas criado o ponto de partida, pois agora planeamos um período de ensaios longo para realmente poder explorar e praticar todas as possibilidades que geramos nesta receita criada. Este projecto está ainda em desenvolvimento... Como qualquer colónia de formigas estamos a trabalhar arduamente e para um objectivo comum.